right_side

Seguidores

Mais borrifados

hipocrisia (26) Mallu Magalhães (24) brasil (15) São Paulo (13) futebol (11) globo (11) música (8) política (8) PT (6) Rede Globo (6) Rodolover (6) lula (6) malandragem (6) Olimpíadas (5) Rodolover posta aí (5) SPFC (5) corinthians (5) trânsito (5) Abercrombie and Fitch (4) Rodolover o borrifador turista (4) Subcelebridade (4) arte (4) brasileiros (4) che guevara (4) chico buarque (4) cult (4) educação (4) juventude (4) modismo (4) movimento homossexual (4) obama (4) politicamente correto (4) rodolover sumiu daqui (4) rodoponey vo te dar uma porrada (4) 3d (3) Big Brother Brasil (3) MTV (3) Rio de Janeiro (3) Rodolover Agora é espanhol? (3) Rodolover some daqui (3) Toca Raul (3) balada (3) bbb (3) borrifada (3) borrifadinhas (3) brasileiro (3) carnaval (3) cinema (3) esquerdistas (3) gosto música (3) grandes eventos (3) leis (3) los hermanos (3) marketing (3) modinha (3) paulista (3) rodolover to postando (3) rodoponoy some daqui (3) romário (3) shopping (3) sustentabilidade (3) Amy Winehouse (2) Anti-social (2) Dilma (2) Direita (2) Eleições 2014 (2) Esquerda (2) Exército (2) Formula 1 (2) Gloria do Desporto Nacional (2) Inclusão digital (2) Indy (2) MPB (2) Mallu Magalhaes (2) Metallica (2) Michael Jackson (2) Muricy Ramalho (2) Mussum (2) Natal (2) Nelson Piquet (2) NxZero (2) ONGs (2) Olimpíadas 2016 (2) Pink Floyd (2) Politcos (2) Rico (2) Rio (2) Rock (2) Rododrunk (2) Rodolover vai pra Espanha virar Pederasta? (2) Rogério Ceni (2) Rubinho (2) São Paulo FC (2) academia (2) amor (2) ano novo (2) backstreet boys (2) big brother (2) blog (2) bolados de rave (2) burocracia (2) caetano veloso (2) chatice (2) corrupção (2) crise (2) críticos (2) democracia (2) dinâmica de grupo (2) espero que o São Paulo se recupere no Brasileiro (2) essência (2) facebook (2) falsidade (2) força sindical (2) férias (2) gaúcho (2) geração (2) globo.com (2) gordas (2) jazz (2) jeitinho (2) jovens (2) justiça (2) malandros (2) medo (2) mentira (2) moda (2) morumbi (2) mulheres feias (2) mulheres frescas (2) musica ruim (2) naturebas (2) nova geração (2) novela (2) orkut (2) palmeiras (2) periferia (2) playba (2) populismo (2) povo (2) proibição (2) protestos (2) rolezinhos (2) rádio (2) samba (2) sertanejo (2) tecnologia (2) trabalho (2) turismo (2) wwf (2) Ética (2) índia (2) #VaiTerCopa (1) 1000 (1) 17 e mais (1) 2013 (1) 2014 (1) 3G (1) 500 (1) Aquecimento Global (1) Astro (1) Banda Gloria (1) Barrichello (1) Belo Horizonte (1) Beyoncé (1) Billy (1) Black Dog (1) Bohemian Rhapsody (1) Bono vox (1) Brawn GP (1) Brazil (1) Britiain's got talent (1) Bronze (1) CUT (1) Cacildis (1) Camargo Correa (1) Canadá (1) Cansei de Ser Sexy (1) Charlie Brown Jr. (1) Clodovil (1) Clássico (1) Coca-cola (1) Colírios da Capricho (1) Conspiração (1) Copa do Mundo 2014 (1) Daiane dos Santos (1) David after dentist (1) Debate Bola (1) Demônios da Garoa (1) Desenho (1) Desorganização (1) Detroit Rock City (1) Diego Hipólyto (1) Diogo Mainardi (1) Diáspora Romana (1) Dona Zuleica é o nome da Mãe do Popó (1) Doug Funnie (1) Doug Funnie bixa (1) ENADE (1) El Salvador (1) Engenhão (1) Estados Unidos (1) Exclusão social (1) Fake (1) Felipe Massa (1) Folha Online (1) Fora Sarney (1) França (1) Fresno (1) Galvão Bueno (1) Gene Simmons (1) Gilberto Gil (1) Gostosas da Globo dão a bunda sem pudor (1) Grunge (1) Heavy Metal (1) Hermes e Renato (1) Holanda (1) Inglaterra (1) JK iguatemi (1) Jacarés (1) Jack Johnson (1) Jean Willys (1) Jennifer Aniston (1) Jeremias (1) Jesus Luz (1) John Mayer (1) Jon Lord (1) Juca Ferreira (1) Justin Bieber (1) Keisha (1) Kiss (1) Kurt Cobain (1) Lei Rouanet (1) Lei Seca (1) Licitações (1) Linhares (1) Lobão (1) Locaweb (1) Lotus (1) Luciano Huck (1) Luiz Felipe Pondé (1) MS-DOS (1) MSN (1) Madonna (1) Mais Médicos (1) Mamonas Assassinas (1) Manaus (1) Marcos (1) Meio-ambiente (1) Merda (1) Mestre Tele (1) Mexicanos são feios (1) Michael Moore (1) Michel Teló (1) Movimento Passe Livre (1) Mudhoney (1) Museum (1) Myspace (1) Nacionalismo (1) Nana Gouvêa (1) Nelson Priquet (1) Nevermind (1) Nirvana (1) O talentoso Ripley (1) PSOL (1) Pacha (1) Pan 2007 (1) Parabéns Lorena (1) Parangolé (1) Paris (1) Paul Stanley (1) Pearl Jam (1) Pedro Bial (1) Perua (1) Políca Federal (1) Putaria (1) Pânico na TV (1) Quadrinhos (1) Rebolation (1) Rei do Pop (1) Ricardo Gomes (1) Rock Progressivo (1) Rodolover sai pra lá (1) Rodolover vai embora (1) Rodolover voltando (1) Rodolover volte a escrever! (1) Rodonasty e as russas (1) Rogério (1) Ronaldinho Gaúcho (1) Ronaldo (1) Rubinho Barrichelle (1) SUS (1) SWU (1) Selton Mello (1) Show me your genitals (1) Sicko (1) Simonal (1) Sintetizador (1) Snack Culture (1) Susan Boyle (1) TI (1) Tempo (1) Tenho amigos putanheiros (1) Tupiniquim (1) Twitter (1) Uniban (1) Urso polar (1) Usain Bolt (1) VMB (1) Vice (1) Victor Fasano (1) Virada Cultura (1) Wikipedia (1) World Cup (1) Xuxa (1) YouTube (1) Zeca Camargo (1) aba reta (1) acessibilidade (1) administradores (1) aeroporto (1) agência (1) alcool (1) animais (1) aniversário (1) ansiedade (1) aperto (1) artistas subestimados (1) asas (1) avião (1) bacon (1) banalização (1) bananas (1) bang (1) bebado (1) bebês (1) bla (1) blasé (1) blogueiros (1) bob marley (1) bolsa família (1) bolívia (1) borrifada maluca (1) borrifador ausente (1) borrifadores (1) borrifando (1) botafogo (1) branding (1) brega (1) briguinha (1) buffet (1) cantoras (1) caos (1) capitalismo (1) capitão nascimento (1) carioca (1) carro (1) carroceiros (1) casper (1) celebridades (1) chilli beans (1) chocolover (1) cigarro (1) classe (1) clichês (1) coca (1) coldplay (1) coletividade (1) combie (1) comunicação (1) condescendência (1) contigo (1) contradição (1) copa do mundo (1) cotidiano (1) crianças (1) crítica (1) culpados (1) death magnetic (1) deputado (1) desenvolvimento sustentável (1) diego alemão (1) dinheiro (1) dionisio (1) direitos (1) discos voadores (1) discurso vazio (1) dislexia (1) divulgação (1) drogas (1) eco 92 (1) ecochato (1) edmundo (1) egoísmo (1) elite (1) emburrece (1) emissora (1) emos (1) empregada (1) entretenimento (1) espetáculo (1) espm (1) estilista (1) estética (1) evo (1) exposição (1) extremismo (1) faap (1) fabio porchat (1) falta de classe (1) falta de paciência (1) favela (1) figurinhas (1) fim de ano (1) flamengo (1) flanelinhas (1) fluminense (1) formaturas (1) frase do Senna (1) funk (1) futebol americano (1) gal costa (1) games (1) gay (1) geeks (1) geleiras (1) google (1) grafite (1) greenpeace (1) gringos (1) gugu (1) gv (1) healthcare (1) helloween (1) hipsters (1) história (1) homer (1) homofobia (1) honda (1) humor (1) hype (1) id (1) igualdade (1) impunidade (1) incentivo fiscal (1) incompetência (1) individuaismo (1) industria fonográfica (1) informação (1) injustiça social (1) inovação tecnológica (1) internet (1) iron maiden (1) irresponsabilidade (1) irritação (1) joel (1) jon e kate + 8 (1) jovem pan (1) juliana paes (1) juscelino (1) katilce (1) king curtis (1) leci brandão (1) legado (1) lemmy (1) lepo lepo (1) liberdade de expressão (1) limitação mental (1) lindos são os passarinhos (1) live 8 (1) live aid (1) livros da fuvest (1) logos (1) loiras (1) loudness war (1) lula vieira (1) luxemburgo (1) mackenzie (1) macunaíma (1) maioria (1) mal humor (1) manifestações (1) marcelo dourado (1) marcelo tas (1) marimoon (1) mau humor (1) maus politicos (1) maísa (1) meirelles (1) melhor do Brasil é o brasileiro (1) melhores posts (1) mesmice (1) metrô (1) mondo entretenimento (1) monty phyton (1) morre (1) motorhead (1) mudar (1) musculação (1) musica boa (1) mãozinha (1) nardoni (1) natural step (1) neo-liberalismo (1) nerds (1) netinho (1) nostalgia (1) nyt (1) pablo (1) padrão de beleza (1) pais bundões (1) palhaçada (1) panda (1) paris hilton (1) patriotismo (1) paulistas (1) pc do b (1) pelé (1) pena sentimento pior (1) pessoas efusivas (1) phil barros (1) pobreza (1) poesia (1) polícia (1) ponte estaiada (1) português (1) posers (1) preconceito (1) premiação (1) promessas (1) protesto (1) psirico (1) publicidade (1) puc (1) punheta (1) qualidade (1) rabo (1) racismo (1) radiohead (1) reality show (1) record (1) red bull (1) reformulação (1) reggae (1) relacionamento (1) religiao (1) religião (1) repórteres folgados (1) respeito (1) rivalidade (1) robei o dia de alguém porque eu devia ter postado ontem (1) roberts (1) rodízio (1) roupas (1) ruas (1) saco (1) santa (1) sassaricar (1) saúde (1) selos (1) sem partido (1) semana (1) senso de humor (1) sentimentos (1) separatismo (1) serginho groisman (1) sexo oral (1) shows (1) silêncio (1) sistema de saúde (1) some daqui. (1) sos mata atlântica (1) status (1) stress (1) subúrbio (1) sucesso (1) sujeira (1) super legais (1) surf (1) telemarketing (1) torcida (1) track and field (1) transporte público (1) troca (1) tropa de elite (1) truculência (1) tráfico (1) universidades (1) vagabunda (1) vasco (1) velocidade (1) venda de CDs (1) verdade absoluta (1) vida (1) vinhos (1) violência (1) vôo (1) war (1) whatsapp (1) workshop (1) xixi no banho (1) zanola (1)

segunda-feira, 14 de abril de 2014

Faixa-a-Faixa: Jean Willys avalia Mamonas Assassinas

Para demonstrar como o Brasil ficou “mais chato” e "extremista" de uns anos para cá, vamos falar sobre como seria recebida em 2014 uma banda totalmente politicamente incorreta, que no meio da década de 90 percebeu que suas piadas e gravações de erros faziam mais sucesso do que o rock de altíssima qualidade que se propunham a tocar com o “Utopia”. Assessorados por Rick Bonadio, a banda se tornou o Mamonas Assassinas, que teve final trágico, mas jamais será esquecida por quem viveu aquela febre entre jovens, mulheres, adultos, crianças, negros, brancos, gays, heteros, avós, etc.

Com vocês, uma resenha (fictícia) do álbum dos Mamonas feita pelo Deputado Jean Willys, do PSOL, para a revista Rolling Stone (que adora esses tipos) caso os Mamonas Assassinas tivessem aparecido no Brasil apenas em 2014:

1 – 1406
Já foi difícil ouvir esse começo pesado e tenebroso, beirando ao macabro com essas guitarras pesadas, mas depois, só piorou. O grupo é formado por meninos bem nascidos em seus apartamentos de classe média de Guarulhos, região onde a grande maioria da população não vive a “realidade” desses garotos. A letra debochada, e de extremo mal gosto, é um ode ao capitalismo segregacionalista em que vivemos. Além da propaganda subliminar gratuita de vários produtos “gringos”, o grupo pela primeira vez no álbum demonstra o seu lado machista afirmando que “a pior de todas é a mulher”, que supostamente se aproveita do homem para conseguir comprar seus objetos de desejo. Tenho ojeriza a bandas brasileiras que utilizam palavras em inglês. Um assassinato à nossa cultura.

2 – Vira-Vira
Homofobia, ódio, racismo e violência contra as mulheres. Tudo isso parece fazer parte do cotidiano da burguesia de Guarulhos, como notamos nessa “música”. Em primeiro lugar, porque na suruba só há referências sobre sexo entre heterossexuais? Claramente a banda ignora a força  e a existência do movimento LGBT. “Manuel”, uma sátira depravada do honrado e respeitado povo português, afirma em uma das estrofes que “dá graças a Deus” porque a Maria foi em seu lugar. Mais uma vez a religião toma a frente da discussão sexual, e coloca a mulher abaixo do homem, como um pedaço de carne que pode ter pedaços arrancados a bel-prazer. Não bastasse isso, a banda incrimina um afro-descendente por ter arrancado o seio de Maria. Logo Maria, que dá nome à nossa lei Maria da Penha.

3 – Pelados em Santos
Na letra dessa canção podemos notar a péssima utilização da língua portuguesa pelos paulistas, justamente eles que zombam tanto do sotaque de outras regiões do Brasil, além, é claro, da utilização constante de palavras em inglês. Além disso, novamente encontramos: depreciação da figura da mulher brasileira, com a insinuação de que um homem humilde jamais terá chances com uma mulher que se recusaria a andar de Brasília e que não viajaria para a República do Paraguai. Os gritos exagerados de desespero marcam o ódio que o grupo tem ao direito da mulher de se vestir da maneira como bem entender sem que sofra o assédio masculino machista.

4 – Chopis Centis
Uma música nojenta. Toda a letra pode ser simbolizada pelos barulhos escatológicos de cuspe no início da música, que representam toda a ideologia elitista e capitalista da banda, que, além de novamente fazer propagandas subliminares a impérios do capitalismo como o McDonalds, debocha do manifesto cultural da periferia, intitulado de “Rolezinho”. Falta maturidade e cuidado da banda com a desinformação da população explorada pela máquina capitalista do sistema brasileiro, uma vez que eles incitam o povo a se endividar por meio de crediários com juros exorbitantes das Casas Bahia.

5 – Jumento Celestino
O preconceito contra o povo nordestino não é de hoje. A música do grupo burguês de Guarulhos tira sarro de uma história de dor, esforço e superação de milhares de nordestinos que abandonaram sua família para ganhar a vida em São Paulo. Hoje eles são cidadão alijados de direitos e tratados como pessoas de segunda categoria. Na letra de “Jumento Celestino” os nordestinos são acusados de “dar peidos fedorentos”, consumistas por instalarem rádios americanos em animais, cabeçudos, desrespeitosos quanto às regras de trânsito, brigões e é claro, para o paulista, todo nordestino é “Baiano”, o que ignora toda a diversidade cultural do nordeste brasileiro. Naturaliza-se a ideia de que uma pessoa negra, pobre e nordestina, eaí homossexual, é subalterna e suas chances de participar da sociedade são inexistentes.

 6 – Sabão Crá-Crá
A única música de qualidade do disco. Sabão Crá-Crá tem referências da tropicália, de Tom Zé, e de antigas cantigas de roda. Poucos realmente entendem a crítica presente nessa melodia, falando sobre como a nossa sociedade ainda vive em “castas” que não se misturam.

7 – Uma Arlinda Mulher
A discussão sobre prostituição é tratada pelos Mamonas Assassinas de maneira subjetiva, leviana e banal, com requintes de incitação à violência da mulher. A música supõe que a “mulher retirada das ruas” é extremamente ignorante um fardo para a sociedade, que jamais conseguirá exercer nenhuma função intelectual. A música ainda abre espaço para a violência contra os animais, afirmando de forma irresponsável que é legal deixar dois tigres com fome para depois dar um prato de comida e vê-los em uma luta selvagem pela sobrevivência.

8 – Cabeça de Bagre II
Um ritmo americanizado e metalizado traz uma letra idiota, onde a burguesia coloca miséria e incompreensão em segundo plano, fazendo piadas e relembrando a todo momento que o Brasil é “Tetracampeão”. Mistura frases sérias como “a política é o futuro de um país” com “cala a boca e tira o dedo do nariz”, praticamente convidando o povo a se divertir com o circo de suas músicas e do futebol ao invés de encarar discussões políticas e filosóficas. A justiça social que precisamos passa longe dos interesses dos jovens burgueses, que preferem a alienação conveniente da massa.

9 – Mundo Animal
O ódio e a violência aos animais, já encontrados em pílulas da machista “Uma Arlinda Mulher”, são regurgitados em uma música que defende com naturalidade o estupro de animais e o incesto. É necessário deixar bem claro que a liberdade sexual é muito importante, mas mesmo com animais, é preciso ter a certeza de que os bichos não estão alcoolizados e portanto o coito é consensual. O grupo se mostra preocupado com a matança desenfreada das baleias, mas se mostra conservador e reacionário ao afirmar que as baleias são melhores do que humanos, já que não traem seus parceiros, o que se trata de desinformação por parte dos músicos.

10 - Robocop Gay
Mais uma vez, o grupo se mostra imaturo e desconhecedor da sociedade homofóbica em que vivemos, que passa pela família, pelas escolas e pelo congresso nacional. Trata-se de uma música que satiriza e rebaixa a luta do movimento LGBT, mostrando os gays como verdadeiros idiotas cafonas desprovidos do mínimo de educação. A banda não se sensibiliza pela causa homossexual impedindo um avanço da cidadania. A música além de afirmar em tom de ironia que “Gay também é gente”, ataca novamente os baianos e depois caçoa do povo gaúcho, ao afirmar que eles também podem se mostrar para o Brasil com essa coisa chamada homossexualismo, que mais parece uma doença aos olhos deles. Para resumir, a música é enfraquecimento da pauta dos direitos homossexuais e dos direitos humanos.

11 – Bois Don´t Cry
Uma música brega de amor, sem nada a acrescentar na discussão ao respeito à diversidade e à pluralidade dos homens. Além disso, a letra se mostra defensora das instituições arcaicas da igreja onde um homem e uma mulher devem se manter parceiros para sempre, sem admitir a traição ou a troca de parceiros, muito menos do mesmo sexo. A falta de respeito à mulher é nítida e desagradável.

12 – Débil Metal
Uma música escabrosa, tumultuada, tenebrosa e sombria. Para jorrar o seu ódio à população brasileira o grupo se vale da língua inglesa e nas poucas palavras decifráveis é possível entender uma tentativa de manipulação da massa, ao proferir palavras de ordem para que se façam “shakes de cabeças humanas, chupadores.” Uma ideologia nazista pregando o extermínio completo dos homossexuais, gritados em palavras odiosas na língua inglesa, para que crianças e jovens aprendam desde cedo como devem tratar as diferenças.

13 – Sábado de Sol
A intolerância do grupo na faixa 13 é contra os dependentes químicos. Pessoas que sofrem diariamente com o abuso de poder das forças policiais e a falta de oportunidades em um mercado de trabalho preconceituoso e impiedoso que não dá igual acesso ao direito. Os “maconheiros” são citados de forma debochada na música.

14 – Lá vem o Alemão
A última faixa da perigosa banda paulista esculacha a estilo de música que traz alegria aos milhões de brasileiros pobres e oprimidos, o pagode. A letra faz propagandas para as marcas Sazón e Volkswagen (assim como na arte do CD). De resto, conta a história (para eles engraçada) racista de um negro pobre, que foi humilhado por uma mulher que o abandonou e preferiu ficar com um rapaz, loiro, rico e proprietário de um veículo da moda. Além disso, o grupo trata o boqueirão, bairro da cidade de Santos como uma verdadeira “merda”.

Resumo:

Como deputado, professor e militante, digo que podemos até perder a luta pelos fracos, negros, oprimidos, gays, lésbicas e excluídos, mas jamais deixarei de levantar a bandeira contra um grupo que trará tanta violência e tanto ódio para a cabeça dos jovens brasileiros. Que fará tanta gente chorar e pensar com descaso sobre pautas tão importantes no cenário homofóbico e preconceituoso em que vivemos.


* Não seja idiota, esse texto não foi escrito pelo Deputado Jean Willys, mas você acha que, se os Mamonas tivessem surgido em 2014, não teriam sofrido críticas extremistas parecidas com a do nosso excelentíssimo deputado?

1 Comentário:

Picucci disse...

hahahahahahaha
Genial demais.

Postar um comentário